National anthem case: Mumbai court reserves order on Mamata Banerjee’s appeal challenging summons

Share

O Tribunal Especial em Mumbai, que preside processos criminais contra MPs e MLAs na terça-feira, está reservando sua ordem sobre a moção de revisão criminal do primeiro-ministro de Bengala Ocidental, Mamata Banerjee, emitida em fevereiro de 2022 por um tribunal de magistrados devido a uma queixa contra ela. um membro do BJP alegando desrespeito ao hino nacional.

O juizado especial já havia suspendido o processo perante o tribunal de primeira instância e passou a apreciar o recurso. O juiz especial RN Rokade decidirá sobre o processo em 12 de janeiro.

Um tribunal de magistrados concluiu em fevereiro do ano passado que era óbvio à primeira vista que o primeiro-ministro havia cantado o hino nacional em um evento em Mumbai, parado abruptamente e deixado o pódio, cometendo assim uma ofensa sob a Prevenção de Insultos ao Povo Ato de Honra Nacional de 1971. Posteriormente, ela emitiu sua intimação pedindo que ela comparecesse perante ela.

O advogado de Banerjee, Majid Memon, negou as acusações feitas na denúncia e disse que como ela estava na cidade em visita oficial, uma sanção deveria ser aplicada para processá-la, o que não foi feito. Memon afirmou que Banerjee estava na cidade para melhorar as relações interestaduais entre Bengala Ocidental e Maharashtra e que ela estava acompanhada pelo Secretário-Chefe de Bengala Ocidental.

O membro do BJP e advogado Vivekand Gupta, que apresentou a queixa, argumentou que, como ela não estava aqui em visita oficial, nenhuma sanção era necessária.

Na terça-feira, o promotor Sumesh Panjwani argumentou que o motivo da visita de Banerjee não era oficial, mas “político”. Ele disse que o programa, organizado no YB Chavan Center em 1º de dezembro de 2021, era um programa político dos partidos da oposição.